Pular para o conteúdo principal

Atacama de Kombi - Que feio!

O chop era bom! Ainda bem não deu dor de cabeça. Eu não estava mal, mas o mesmo não pode ser dito da Ale, pela manhã resolvemos levar ela no hospital, fomos em poucos e com perguntas aqui e acolá achamos o hospital. Desta vez Delon no volante, bem cansado... acredito que a noite tenha sido cansativa.
Medicamentos comprados, saímos antes do meio dia, bem cedo até para dar uma banda pela cidade e ver o outro oceano, afinal tínhamos chegado a noite. Fomos para o lado de José Lopez uma cidade de pescadores (segundo os moradores) e no caminho nos deparamos com um portal no centro do oceano, claro, parada para fotos. Muitas fotos! Que cor de água, tá loco! Só Santa Catarina para ter água assim. Seguimos viagem e o meio dia se aproximava, e batendo meio dia, batia a fome. Mas desta vez queríamos peixe, afinal tinha duas coisas para fazer por aqui. Aproveitar que estava perto do mar para tomar um banho e concluir um dos grandes objetivos e comer peixe.
Mais para cima do local de onde estávamos, e para cima nos dois sentidos. Virgem como tem morro e subida por estes lados! Outra coisa engraçada e a falta de árvores. É pedra para tudo que é lado, bem diferente do outro lado, o nosso lado, no Brasil tem árvore para tudo que é canto. Bom, voltando ao vilarejo, indo em direção a ponta de José Lopez achamos um restaurante bem legal e com bom preço para comer. Fritas, peixe, arroz, salada! A comida do Paulo era boa, mas um restaurante tem seu preço. Comemos como padres, parecia ser a última coisa que íamos fazer na face da terra. Acho que a dona do restaurante ficou com pena das figuras e mandava ver.
Todos fastiados, Ale com uma sensível melhora pós hospital. Vimos um grupo de pessoas jogando futebol. Claro, mesmo todos sendo uns pernas de pau, fomosjogar. Bah, devíamos ter ficado no restaurante, perdemos o jogo de 6x4. Este Brasil e Chile não foi bom, fazer o que, estávamos de barriga cheia. O professor tinha faltado, o entrosamento tava bom, mas faltava chuteira. EHEH Choro de quem não quer assumir que perdeu. Agora depois dessa partida era ir cumprir o objetivo de dar um barrigaço em outro oceano.
Seguindo a rua até o fim achamos o local para o banho. Uma enseada com um bocado de criança, nem pensamos duas vezes. Como crianças que nunca viram o mar, saímos a desabalada só deu tempo de pegar os pés de pato e o esnórquel e ir para a água. Mesmo com o futebol tendo detonado os nossos pés caímos na água, e que água! Muitos mergulhos, muitos barrigaços. Até ensinamos os locais a dar o verdadeiro barrigaço. Quando vimos todas as crianças que ali estavam vieram para perto. Quer coisa melhor para fazer farra quando tem “adultos” fazendo farra também?! Foi no Pacífico que o Delon usou pela primeira vez um esnórquel, fazia mais barulho que de fato mergulhava. De fato um momento bem divertido.
A noite vinha se chegando e momento de por o pé na estrada também. Se com esse adiantado da hora chegássemos a Taltal seria lucro. Mas mesmo não chegando já tínhamos recarregado nossas baterias e cumprido os dois objetivos maiores da grande rota. Atacama e Barrigaço. O que viesse agora era lucro.
O entardecer na orla de Antofagasta nos reservou algo que até então não tínhamos visto. O sol se por no mar, aqui no Brasil ele sempre nasce. Como disse, o que vier agora é lucro, este é o primeiro.
Rodamos um bocado, falamos bastante bobagem, mas chegou uma hora que não dava mais. Pelas nossas contas e pelas placas estávamos perto de Taltal, mas parece que a cidade tinha entrado em um túnel temporal e nunca chegávamos. Para resolver o problema, paramos na beira da estrada, não tão a beira assim, montamos as barracas e boa noite!

Fotos

























































Videos



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Caminhada - 15º Caminhos e Trilhas - Picada Café

Realizada em: 27/03/2010
Percurso aproximado: 16 Km
Duração: 5 horas (para mim...) 4 horas normalmente
Trajeto: Saída de ônibus do Parque Histórico Jorge Kuhn até Jammerthal, desta localidade vamos visitar uma cascata localizada em uma propriedade particular e depois nos deslocamos devolta para o Parque Histórico.
Nível de dificuldade: fácil, as subidas nada cruéis.
Organização: Prefeitura Municipal de Picada Café.
Apoio: PIÁ, Uniserra Viagens, Eco Caminhantes e Corpo de Bombeiros de Picada Café.
Mais informações:Blog das Caminhadas

Fotos

Abaixo está todo o trajeto percorrido e o local de algumas fotos do percurso.

View 15º Caminhos e Trilhas - Picada Café in a larger map