Pular para o conteúdo principal

Atacama de Kombi - Tem gaúcho escalando o Aconcágua!

Acordamos por volta das 8 da manhã e nada do caminhão de Nafta, já estávamos pensando em um plano B. Nada de roubo, podemos estar com umas caras um tanto assustadoras, mas roubo não veio à cabeça. Por sorte, e pela bandeira, três gaúchos nos acharam por lá, Marcos, Carlos e Cristofer. Eles estavam por lá por conta do Aconcágua, a profissão deles faz parte de seu hobby, trabalham com limpeza e serviço em geral em altura. Explicamos o que estava acontecendo e eles se ofereceram para nos levar a próxima cidade para comprar gasolina. Nem pensamos duas vezes, não queríamos atrasar muito a viagem.
De carona e com alguns galões na mão fomos em três pessoas um dos novos amigos de Porto Alegre, o Gustavo e eu até Uspallata, algo em torno de 62Km de onde estávamos. Calculamos o que teríamos que abastecer o carro dos bons samaritanos e o que tínhamos que ter no tanque para chegar lá e vamos nós.
Entre ir e vir perdemos um certo tempo, chegamos onde estava a Kombi depois do meio dia, mas toda essa folia nos rendeu algumas amizades, não foi tempo perdido! Kombosa abastecida com um funil feito na hora, e com gasolina suficiente para subir até um ponto onde poderíamos ver o Aconcágua tá na hora de guardar as coisas e encaixar na Kombi.
Voltamos um pedaço do trajeto e tiramos a foto com o Papa, quer dizer, com o Aconcágua. Escalar até o pico deve ser algo muito interessante, sedo ponto onde estávamos já era imponente, imagina no pé do dito cujo. Certamente queteríamos que ter bem mais preparofísico, mas um dia voltarei para subir ele. Saímos do mirante por volta das 16:30 (espero que o horário da máquina fotográfica esteja correto) nosso destino era Mendoza e claro antes disso o primeiro posto de gasolina, afinal cada kilômetro agora valia ouro.
Novamente conforme avançávamos a Mendoza o tons de marrom das montanhas imponentes iam se mesclando novamente com o verde. Muitos rios e bem sinuosos serpenteavam pela paisagem e o ponteiro da gasolina descendo e nada de Uspallata.
Ufa! Chegamos ao posto onde compramos gasolina antes. Tanque novamente cheio agora sim poderemos ir a Mendoza tranqüilos. A princípio iremos passar a noite em Mendoza. A euforia é geral, com o tempo de viagem até quem não falava espanhol já está começando a arranhar algumas palavras. Todos emocionados querendo “chicas argentinas” e fazer festa na cidade. O trajeto ia surpreendendo a cada metro. Muitos túneis, um rio sempre acompanhando, até tinha um pessoal fazendo rafting. Tudo só aumentava a euforia do pessoal para fazer mais festa. Som bombando na kombosa. Mas o melhor estava ficando para o meio da viagem, em Potrerillos tem um espelho d`água sem igual. Se já não fosse tão tarde iríamos cair na água, que pelo movimento da estrada certamente lá perto tem um local para banho. O resto do caminho não tinha muita coisa em especial além de plantações e mais plantações.
Chegamos a Mendoza pelo acesso sul. Uma bela cidade, mas de preços salgados. Assim como chegamos praticamente saímos correndo. O custo para passar a noite na cidade seria um tanto alto e não ia adiantar continuar passeando dado o adiantado da hora. Uma pena, pois acreditávamos que seria mais barato. Fazer o que, vamos seguir viagem. Nosso destino agora é La Paz, seguimos pelo “Acesso Este” ou “Ruta 7”, e passamos por muitas cidades o trajeto total do dia foi bem longo.
Acabamos por parar em um posto GNC para dormir, local organizado para isso, tinha até área para camping com uma grama bem fofa. Foi um abraço para tirar uma pestana. O trajeto até o posto foi um tanto fúnebre pelo fato de não termos ficado em Mendoza. Maldita falta de dinheiro. 

Fotos
































Vídeo



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Caminhada - 15º Caminhos e Trilhas - Picada Café

Realizada em: 27/03/2010
Percurso aproximado: 16 Km
Duração: 5 horas (para mim...) 4 horas normalmente
Trajeto: Saída de ônibus do Parque Histórico Jorge Kuhn até Jammerthal, desta localidade vamos visitar uma cascata localizada em uma propriedade particular e depois nos deslocamos devolta para o Parque Histórico.
Nível de dificuldade: fácil, as subidas nada cruéis.
Organização: Prefeitura Municipal de Picada Café.
Apoio: PIÁ, Uniserra Viagens, Eco Caminhantes e Corpo de Bombeiros de Picada Café.
Mais informações:Blog das Caminhadas

Fotos

Abaixo está todo o trajeto percorrido e o local de algumas fotos do percurso.

View 15º Caminhos e Trilhas - Picada Café in a larger map